novembro de 2009

Ouço os corações dos lugares,
em mim há ruas e pulsações de asfaltos;
hoje é a terra que me fala.
Caminho na vibração das tuas veias saltadas.
As pedras sobre as quais piso
são parte de mim: pura extensão.
E exprimem e espremem
todo aquele cheiro de sal
e gosto de alecrim.
Há mapas riscados no teto branco
e uma geografia de 4 almas
confundem dedos e lápis,
paixões coloridas.
Quarenta dedos riscando um papel mudo,
na confusão de expressões sem jeito,
envergonhando o instante.
Quarenta dedos que partilham uma busca inexplicável
pelo sentido das cores,
dos amores,
das dores;
seres incessantes.
Oito mãos secas, calejadas
Capazes de estapear sem dó as maçãs
e incapazes de se desencostar.
Tetntáculos de medo fabricando um esconderijo de equívocos,
gargantas que esforçam seus gritos,
mãos que forjam caixinhas,
mãos que adiam seus assassinatos.
Não sei da paixão que de mim sentiam.
Estou seca de ardor, vazia de contemplação,
oca de explosão.
oito mãos.

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

2 Respostas para “novembro de 2009

  1. Bela

    Estávamos lá no coração do lugar….Me lembro deste momento, oito mãos aflitas, palavras envergonhadas… Saudades daquela noite ….beijo nas seis mãos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s