A culpa é do domingo cinza e sua chuva de coisas afiadas

A UM FILHO QUE NUNCA TEREI

Sim, a alegria dura muito pouco

nós sabemos ser tristes

A notícia é:

apaixonou-se por quem está apaixonado por mim

você é a excelente parede com quem eu falava

pinacoteca itinerante

Meu amor é despeito, despinto, descaralho de tudo

os sentimentos circulam

dão uma volta no quarteirão

entram no copo de café

depois você vê que eles saem nas baforadas do cigarro e tal

estão em toda a parte

não se escapa de coisas assim

eu morreria de auto humilhação, sabe?

diminuído pelo perdão alheio!

despreparado para a vida

preparadíssimo para a morte

ergo uma nação

de faíscas

Eu descubro a poesia pela insistência da lâmina

os homens são destinados ao nunca

e a primeira vez das coisas

é a porta de entrada da verdade

da consciência

e do não

esse sim gigantíssimo:

fodamo-nos

Me corto todo para vos

solo dejaré la lengua para lamerte

Isso é o que me faz ser. E o que me faz ser é velho conhecido meu.

Se você me amar de vez em quando

eu prometo morrer apenas em dias alternados

É muito engraçado

o amor provoca o riso

você ri até morrer

é preciso um abdômen de ferro

e muita matéria plástica

en tu corazón, hijo,

en tu corazón

Juditinha 

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Uma resposta para “A culpa é do domingo cinza e sua chuva de coisas afiadas

  1. Giovanna

    Poeta, poeta, meu poeta querido! Só mesmo um artista poeta pra fazer da dor algo belo…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s